10 dicas para ter conteúdo bem ranqueado no Google

Google

Ahá! Estou empolgada com esse post. Acho que pode ajudar jornalistas que produzem conteúdo on-line para empresas, clientes ou para o próprio blog. Afinal, aparecer entre as primeiras opções do Google virou sinônimo de relevância e reputação. E o melhor: nem sempre é preciso pagar para receber esse destaque.

Apurar e escrever não são mais suficientes às atribuições dos jornalistas. Entender como chegar até o leitor virou tarefa fundamental para continuar no mercado. E tenho dicas para você conseguir isso.

Nesse final de semana, fui a um seminário com o maior especialista em “Como ser bem ranqueado no Google” em países de língua portuguesa. Pedro Dias é auditor e consultor de performance orgânica e foi analista de qualidade do nosso querido oráculo Google por 5 anos. Eitcha!

Pedro deu sugestões para quem quer ser relevante para o Google. E eu quero deixar você um entendedor do assunto.Vamos lá:

Captura de tela 2016-08-18 10.15.08

10 dicas do Google

Tenha em mente que o conteúdo que você faz é para um humano e também para uma máquina.
Oh, Yeah! Existem boas práticas para deixar seu blog ou site mais bem visto no Google. Isso se chama Search Engine Optimization (SEO – Éssi-ii-ô)

1- Vai aqui um bom exemplo: como as pessoas buscam pelo seu conteúdo? Máquina de lavar ou Lavadora? Use palavras comuns; e a mais procurada como principal no seu texto. Vale dizer que o jornalista não precisa ser repetitivo ou retirar a criatividade no texto, mas deve haver um meio termo.

2 – Há duas formas de estar nos primeiros lugares de pesquisa no Google: anúncios pagos e conteúdo orgânico. O SEO é focado nesse último e é baseado na meritocracia. Se você trabalha direitinho, tem grandes chances de estar lá. Ele avalia se seu conteúdo é relevante e se tem reputação.

3 – Ser relevante é você dizer o que é bom e solucionar o problema de alguém. Ter reputação é quando outras pessoas recomendam seu trabalho e citam você de forma positiva. Sim!!! Trabalha, danado!

4 – Há um robô que visita página por página e ele não vê arquivo de imagem, ele consegue entender apenas o que é texto. Significa que você deve nomear corretamente a imagem que você posta, para que ele consiga entender do que se trata, além de facilitar a vida dos deficientes visuais. Aqueles arquivos malucos como “foto123.jpg”é furada. Use palavras que façam sentido com o conteúdo.

5 – Um site pode ter performance fraca por outras três razões: má arquitetura (quando não há hierarquia de conteúdo), problemas de acessibilidade (é lento para entrar ou não é responsivo para o celular) e experiência do usuário ruim (você roda o site todo para encontrar o que quer). Fica ligado!

6 – O Google é exigente: você precisa entender de tecnologia, ser criativo, compreender marketing, proporcionar uma boa experiência ao usuário e, principalmente, ter conteúdo de qualidade. Sabe aquela história de ser um profissional multidisciplinar? Então…

7 – Foque nas necessidades das pessoas. Vale perguntar: será que meu site ajuda o usuário? “Nenhum marketing é suficiente para resolver um produto ruim”, arrematou Pedro. PAM!

8 – Tenha URLs amigáveis. Fuja de “http//:www.jornalista30.com.br/artigo/bandido/sei-la-o-que/visibilidade-SEO/asugshd350” pelo amor de Deus! Prefira as enxutas: “http//:www.jornalista30.com.br/tecnicas-de-SEO”.

9 – Vai citar outro site no texto? Procure quem tem relevância. O Google sabe que o site da NASA é foda, por exemplo. Quer ser bom, aproxime-se dos bons. Cite quem é bom. Isso também é considerado na hora de estar em destaque nas buscas. Ah! E se a NASA te citar? UUOuu!! Quero ser seu amigo. haha E isso precisa ser espontâneo. Os caras do Google sabem se você está sendo pago para linkar alguém (com exceção dos publieditoriais) e podem te “punir”. Cuidado.

10 – Aquele famoso “clique aqui” com link deve ir para a lixeira. Ain… E eu fazia isso em todos os meus artigos. =( Mas aprendi: se for linkar alguma coisa no meu texto, melhor destacar o que de fato a pessoa vai encontrar ao clicar porque essa pequena frase clichê não é bem vista pelo Google.

Claro que tem muitas outras boas práticas que não cabem nesse post, e vou escrever outras dicas em breve. O fato é que impossível isolar os fatores de classificação do nosso oráculo virtual. Todos os dias, os nerds de lá criam novos algoritmos inteligentes para melhorar nossa vida de usuário.

Saiba mais no Guia de iniciação SEO do Google.

É isso.

Beijo.
V.