Como ser um jornalista 3.0 em 2016

Assisti uma palestra interessante do comediante Murilo Gun no YouTube um dia desses e fiquei encucada. Ele disse que não estamos em uma era de mudança. Estamos na mudança de uma era: ali, entretidos em frente a alguma tela. Hoje, plantamos os pés na era digital, e, logo mais na futurista. E nem percebemos isso porque nos acostumamos a avaliar apenas o que passou. As possibilidades de comunicação tiveram as evoluções mais relevantes. E, com elas, os meios de se informar. Aí entra o novo papel do jornalista. O que eu prefiro chamar de versão atualizada dele, a 3.0.

Ao contrário de muitos colegas desmotivados ou frustrados com a profissão, estou otimista. Esse é o pior e o melhor momento do Jornalismo. É ruim porque enfrentamos uma crise — necessária em qualquer grande transformação. Sair da zona de conforto é doloroso. Mas o lado bom é a chance de repensar nossa função.

Por isso, pensei em 5 características de um Jornalista 3.0 para quem quer aproveitar o novo ano e acompanhar essas mudanças.

1.Tenha um propósito

jornalista propósito

Defina o que você quer. Isso leva tempo, mas dedique-se a ter essa resposta. Escreva em um papel, coloque-o em um lugar muito visível, leia todos os dias. Assim, todos os seus passos serão em direção a como você quer estar em dois anos. É como uma oração.

Vale dizer que o propósito está diretamente ligado ao altruísmo. Ajudar as pessoas traz motivação e você conseguirá mais facilmente ser pago por isso. Reflita: o que você faz hoje ajuda quem?

2. Arrisque o novo

jornalista - arriscar

Dá medo. Mas você precisa da sensação de tentar e conseguir para se sentir vivo. Nunca gravou um vídeo? Grave. Não entende de redes sociais? Fuce. Tá enrolando para escrever aquele blog? É a hora. Seja proativo, pelo amor de Deus! Tire da cabeça que você precisa contratar alguém para fazer por você. A melhor maneira de aprender qualquer coisa é fazendo.

Sempre rola também aquele receio do que os colegas jornalistas vão pensar do seu novo projeto. “E se eu errar? Meu nome está em jogo”. Isso é auto-sabotagem. É sempre melhor fazer do que não que fazer. Se tudo der errado (o que eu duvido), você ainda vai ter uma super experiência e ter aprendido muito. Faça.

3. Esteja conectado

jornalista - conectar

Preciso estar na internet? Claro. Mas a conexão que quero dizer aqui é a das pessoas. Entenda o que elas querem e o que precisam, converse, interaja, olhe nos olhos, emocione-se, fale como pessoa e não como máquina — como fomos ensinados. Estar conectado significa estar de mãos dadas com uma rede de pessoas dispostas a colaborar umas com as outras, a fazer o bem.

Faça contatos, fortaleça seu networking on-line e off-line. Além disso, aproveite oportunidades de aprender mais. A falta de tempo é uma desculpa que você dá a si mesmo para continuar no conformismo. Conecte-se com sua essência (propósito) e com as pessoas.

4. Conte histórias

jornalista - contar historias

Para mim, jornalista é um contador de histórias reais. E parece que meus colegas esqueceram disso. O personagem virou apenas um item obrigatório das matérias. O Jornalismo está chato. Perceba que os melhores profissionais da nossa área são grandes contadores de histórias. Foque nas pessoas, nos heróis do cotidiano, no protagonista.

Essa é a função mais básica da nossa profissão: contar histórias.

5. Seja livre

jornalista - livre

Eita! Calma. Estou acabando… Falo em dois tipos de liberdade: o mental e o de escolhas. O primeiro tem a ver com aquele clichê de que seu pior inimigo é você mesmo. Existe uma briga constante na nossa cabeça que nos impede de realizar grandes feitos. “Não sou bom o bastante, não consigo, não tenho tempo, não está perfeito”. Perceba quando acontece e lute contra. Aprendi algo nesta semana, colega jornalista: nós temos as condições e não são elas que nos tem.

O segundo tipo é o de escolhas. Sério que você só tem uma única e grande fonte de renda? Se o jornal te dispensar sua vida acaba? Elabore um plano para ter múltiplas e pequenas fontes de renda, em que nenhuma te escravize. Escreva um livro, ofereça um curso, comece um projeto, dê consultoria… Sempre voltado para o passo número 1, propósito, claro.

Por fim, meu desejo é que 2016 seja de arrasar! Aproveite. o/

Quer mais? Conheça o e-book 5 casos de jornalismo com propósito